Colóquio Interpretação Semântica de Kant

Apresentação

No dia 21 de março de 2024, o Instituto Brasileiro de Psicanálise Winnicottiana sediará o XXII Colóquio Kant da Unicamp. O tema desta edição será Interpretação Semântica de Kant.
O evento oferecerá um espaço para debates a respeito da questão semântica no pensamento kantiano, abordando ainda a filosofia crítica de Kant, sua fundamentação e método, isto é, as “condições de possibilidade” do conhecimento nas experiências cognitivas e práticas.
Assim, o XXII Colóquio Kant promoverá discussões históricas que exploram as contribuições kantianas, dando continuidade ao debate acerca da atualidade desse pensamento no contexto dos problemas de filosofia e da ciência do século XXI.

Daniel Omar Perez

Programação

09h45 – 10h00 Daniel Omar Perez: A semântica de Kant 
Abertura
10h00 – 11h00 Palestrante: Alexandre Hahn (UNB)

Título: Considerações sobre o caráter moral como condição moralidade em Kant

Mediador: Daniel Omar Perez

11h00 – 12h00 Palestrante: Fábio César Scherer (UEL)
Título: Notas sobre o método analítico dos prolegômenos

Mediador: Daniel Omar Perez

12h00 – 13h00 Palestrante: Orlando Bruno Linhares (Mackenzie)
Título: O conceito de movimento na crítica da razão pura e nos princípios metafísicos da ciência da natureza

Mediador: Daniel Omar Perez

13h00 – 14h00 Almoço
14h00 – 15h00 Palestrante: Frederick Rauscher (MSU)
Título: What is transcendental in Kant’s practical philosophy?
Mediador: Daniel Omar Perez
15h00 – 16h00 Palestrante: Joãosinho Beckenkamp (UFMG)
Título: Z. Loparic sobre esquematismo analógico em Kant
Mediador: Daniel Omar Perez
16h00 – 17h00 Palestrante: Suze Piza (UFABC)
Título: Variações inesperadas da semântica kantiana: sobre filosofia e sua produção

Mediador: Daniel Omar Perez

17h00 – 18h00 Palestrante: Ubirajara Rancan de Azevedo Marques (Unesp)
Título: Considerações sobre o caráter moral como condição da moralidade em Kant
Mediador: Daniel Omar Perez
18H00 Encerramento

 

 

 

Resumos e minicurrículos

Palestrantes:

Alexandre Hahn

Minicurrículo: Professor Adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília (UnB). Doutor e Mestre em Filosofia pela Unicamp, e Bacharel em Filosofia pela Unioeste. Foi Professor Adjunto da Universidade Federal do Pará, Visiting Scholar na Brown University e Visiting Researcher na Humboldt Universität zu Berlin. Além de traduções de textos de Kant, tem publicado artigos e capítulos de livro acerca da Moral e da Antropologia kantiana.

Título: Considerações sobre o caráter moral como condição da moralidade em Kant
Resumo: 

Fábio César Scherer

Minicurrículo: Professor Associado da Universidade Estadual de Londrina (Uel). Membro permanente do Programa de Pós-graduação stricto sensu da Uel. É membro colaborador da Sociedade Kant Brasileira (seção Campinas) e do grupo de pesquisa Criticismo e semântica (Unicamp). Vice-diretor do núcleo de filosofia contemporânea Zeljko Loparic (Uel). Atua na área de Filosofia Moderna, com ênfase em temas relacionados à filosofia kantiana.

Título: Notas sobre o método analítico dos Prolegômenos
Resumo: Dois anos após a obra inaugural da fase crítica, Kant expõe as linhas gerais do seu projeto crítico numa obra menor, com um grande diferencial: pretende agora, nos Prolegômenos, empregar o método analítico. Todavia, a despeito da centralidade atribuída e das repetidas exposições feitas por Kant nas páginas iniciais, o método analítico está longe de estar claro neste escrito de 1783. As dificuldades vão desde determinar seu uso enquanto ferramenta heurística e/ou procedimento de organização dos passos da pesquisa, incluindo a extensão de cada um destes usos, passando pela qualificação do seu papel na formulação e resolução da questão central da proposta crítica, até a fixação do seu ponto de partida e do procedimento de validação de resultado. Visando clarificar o uso do método analítico nos Prolegômenos, optarei por uma abordagem plural, atenta às diferenças na caracterização kantiana e às várias acepções deste método decorrer do século XVII e XVIII.

Frederick Rauscher

Minicurrículo: Frederick Rauscher is Professor of Philosophy at Michigan State University. He is the author of Naturalism and Realism in Kant’s Ethics, translator of Kant’s Lectures and Drafts on Political Philosophy, and author or editor of numerous other works on Kant. He co-edited Kant in Brazil with Daniel Omar Perez, was a Fulbright Scholar at the Universidade Federal de Santa Catarina, and is currently editing the English translation of Loparic’s Kant’s Transcendental Semantics.

Título: What is Transcendental in Kant’s Practical Philosophy?
Resumo: 

Joãosinho Beckenkamp

Minicurrículo: Joãosinho Beckenkamp é professor do Departamento de Filosofia da UFMG, tendo obtido o título de doutor em filosofia pela UNICAMP, sob orientação de Zeljko Loparic. Entre livros, traduções, resenhas e artigos, publicou Introdução à filosofia crítica de Kant (Belo Horizonte, 2017), Ceticismo e idealismo alemão (São Paulo, 2019) e Analogia e simbolização em Kant (São Paulo, 2023).

Título: Z. Loparic sobre esquematismo analógico em Kant
Resumo: 

Orlando B. Linhares

Minicurrículo: Bacharel e licenciado em Filosofia pela PUC/SP, mestre em Filosofia pela mesma instituição, doutor em Filosofia pela UNICAMP, pós-doutorando em Filosofia pela PUC/SP e professor do curso de Filosofia da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Título: O conceito de movimento na Crítica da razão pura e nos Princípios metafísicos da ciência da natureza
Resumo: Ao tratar do problema da construção do movimento na foronomia, no primeiro capítulo dos Princípios metafísicos da ciência da natureza, Kant se depara com uma dificuldade, que não encontrou na Crítica da razão pura, porque o movimento, que descreve um espaço, representado no traçado de uma linha, a partir da adição sucessiva de suas partes pela síntese da imaginação produtiva, constitui-se também como este mesmo espaço em uma grandeza extensiva. Na foronomia, a dificuldade consiste em construir o movimento composto como uma magnitude extensiva, porque a sua composição não é como a do espaço em que suas partes são situadas fora umas das outras em momentos diferentes do tempo. A solução deste problema pressupõe a distinção e a interrelação de dois métodos de construção de conceitos na ciência da natureza: a construção matemática e a construção metafísica. Tomada isoladamente, a construção matemática é o método empregado na Crítica da razão pura para a construção dos conceitos matemáticos na intuição pura. O método de construção metafísica é empregado unicamente nos Princípios metafísicos da ciência da natureza. 

Suze Piza

Minicurrículo: Suze Piza é professora de Filosofia na UFABC, credenciada no programa de pós-graduação de Filosofia e no programa de Economia Política Mundial. Pesquisa sobre pensamento ético-político contemporâneo. É doutora pela Universidade Estadual de Campinas.

Título: Variações inesperadas da semântica kantiana: sobre filosofia e sua produção
Resumo: Vista por muitos como uma obra que representou uma nova etapa das recepções das ideias de Kant no Brasil e, por outros, como uma interpretação ousada da obra de Kant, A Semântica transcendental de Kant de Z. Loparic e os textos que seguiram dela, certamente hoje ganham nova configuração. O programa proposto por Loparic ultrapassa a filosofia kantiana na medida que oferece recursos epistêmicos para pensarmos a própria Filosofia e sua tarefa. A reconstrução do programa kantiano de crítica da razão pura teórica, bem como da explicitação das condições nas quais um problema da razão pura teórica é solúvel (e, posteriormente sua extensão aos problemas que a razão pura se coloca em todos os outros domínios abrangidos pelo discurso filosófico) reposiciona a Filosofia no âmbito da (in)capacidade da razão humana para resolver seus próprios problemas. Próximos do fim do mundo como conhecemos, pergunto se não vale retomarmos essa posição. 

 

Ubirajara Rancan de Azevedo Marques

Minicurrículo: Ubirajara Rancan de Azevedo Marques é Professor Titular do Departamento de Filosofia da UNESP. Como pesquisador, vem se ocupando com subtemas do pensamento kantiano, tais como: o conceito de inato, as analogias musicais, as metáforas embriológicas. Tem artigos e capítulos de livros publicados por periódicos e editoras da Alemanha, Brasil, Espanha, França, Itália e Portugal.

Título: Kant a propósito de “Dissonanz” e “dolce piccante”: estudo de caso de uma dupla metáfora.
Resumo: A presente exposição contém um estudo de caso relativo à dupla metáfora presente na “Reflexão” de número 614, das Reflexionen de Kant. Uma de tais duas metáforas está ligada à música, ao passo que a outra, ao paladar. Por meio de uma análise que busca ressaltar as especificidades de cada uma delas, seja com respeito à sua própria composição, seja com respeito à inserção de cada qual nos contextos respectivos do século XVIII, destaco a contrariedade comum a ambas, e, em especial, a consonância de tal estrutura contrastante para com o próprio pensamento kantiano em geral. Exemplificando essa mesma estrutura, recordo alguns conceitos que, tal como “dissonância” e “dolce piccante”, contêm contrastes velados.

 

Inscrição

*O evento será gratuito.

*Haverá certificado de participação para todos os inscritos.

*O evento será ministrado inteiramente online e a gravação ficará disponível por 30 dias.

Preencha o formulário abaixo, com o seu nome completo, para se inscrever.

O Instituto Brasileiro de Psicanálise Winnicottiana, não se responsabiliza por eventuais problemas ou dificuldades técnicas do inscrito no momento da transmissão online.

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.
Endereço Completo
De qual modalidade você gostaria de participar?
Como ficou sabendo do evento?

Revise os dados inseridos e clique em "enviar" para confirmar a sua inscrição.

Local

Evento híbrido.

Online
Rua João Ramalho, 146 – Perdizes. São Paulo, SP

Abrir bate-papo
1
Precisa de ajuda?
Olá, como podemos te ajudar?