Entre em contato: (11) 3676-0635 e (11) 9 9611-4805

CURSO WINNICOTT E HEIDEGGER: afinidades e diferenças

Apresentação

Quais são os aspectos filosóficos presentes na psicanálise winnicottiana? Em que medida uma reflexão sobre tais aspectos pode ser frutífera para quem estuda Winnicott? A teoria winnicottiana levanta questões de natureza filosófica? Sua experiência prática colocou problemas que são afinados ao campo da Filosofia? Em que medida a diferença entre a psicanálise de Winnicott e a de Freud carrega consigo uma distinção marcada por aspectos filosóficos? Estes psicanalistas se servem de uma mesma base filosófica ou se distanciam também em relação a isso?

Este curso pretende abordar tais questões tendo como referência a filosofia de Martin Heidegger, seu olhar sobre o ser humano e sobre as ciências, mais especialmente, sobre a psicanálise. Usaremos como guia alguns textos de Zeljko Loparic sobre essa temática com vistas a evidenciar o itinerário, a evolução e as mudanças de sua abordagem filosófica da psicanálise winnicottiana. Nos serviremos, também, das leituras contemporâneas que Hans Jonas e Peter Sloterdijk fazem do pensamento heideggeriano.

EMENTA: Aspectos filosóficos presentes na psicanálise winnicottiana. Diálogos entre Heidegger e Winnicott

Modalidade: ONLINE

As aulas são transmitidas via zoom.

O Instituto Brasileiro de Psicanálise Winnicottiana não se responsabiliza pela velocidade de internet e capacidade do computador/celular do aluno.

Datas:

20/05; 01/07; 19/08; 23/09; 21/10; 18/11; 16/12.

Última data, em 2023, a ser confirmada.

Horário:

14h30 – 17h10

Haverá certificado de participação para os que estiverem presentes em aula.

Programação

Módulo I

AFINIDADES ENTRE HEIDEGGER E WINNICOTT –  Profa. Dra. Caroline Vasconcelos

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Mapear horizontes teóricos e conceitos que representam afinidades entre Heidegger e Winnicott a partir de obras de Zeljko Loparic. Examinar a crítica de Heidegger ao conceito freudiano de pulsão (Trieb) e ressonâncias de uma crítica desta natureza na psicanálise de Winnicott. Analisar em que medida a psicanálise winnicottiana concretiza de um modo não-metafísico de abordagem do ser humano investigar o que Winnicott e Heidegger tomam como origem em diferença ao conceito de começo. Analisar em que medida diferenciam, em âmbito filosófico e psicanalítico, o que é primitivo e o que se refere ao começo. Examinar a proposta heideggeriana de uma ciência do acontecer humano não devedora do modelo científico-natural e averiguar em que medida a Psicanálise de Winnicott não paga tributo a este modelo. Analisar a crítica de Heidegger à psicanálise freudiana e em que medida a Psicanálise de Winnicott reverbera críticas parecidas à ciência proposta por Freud.

 

AULA 1 – 20/05

O olhar de Heidegger sobre a psicanálise freudiana e sua crítica ao conceito de pulsão. O distanciamento winnicottiano do conceito metapsicológico de pulsão.

AULA 2 – 01/07

 Os vários sentidos de realidade para Heidegger e para Winnicott: um olhar além do campo representacional

AULA 3 – 19/08

O inconsciente reprimido freudiano como um conceito explicativo-causal: sobre a crítica de Heidegger nos Seminários de Zollikon. O inconsciente não-acontecido winnicottiano: sobre a leitura de Loparic.

AULA 4 – 23/09

A meditação heideggeriana sobre o conceito de origem em distinção com o de começo e a diferença estabelecida por Winnicott entre o primitivo e o profundo. Construção de analogias entre estas duas formas de pensar as diferenças.

 

MÓDULO II – DIFERENÇAS ENTRE HEIDEGGER E WINNICOTT: Prof. Dr. Juliano Pessanha

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Marcar a diferença entre as propostas éticas de Heidegger e a clínica de Winnicott. Apresentação de Heidegger como pensador gnóstico. Ser e Tempo como uma antropologia no avesso de Winnicott.

 

Aula 1 – 21/10

Heidegger e a Gnose. As considerações de Hans Jonas e Peter Sloterdijk

Aula 2 – 18/11

O sentimento predominante do gnóstico: exílio e estranhamento

Aula 3 – 16/12

Pensamento heideggeriano da diferença e a descontinuidade

Aula 4 – A definir

Constelação gnóstica: Fernando Pessoa, Cioran e Kafka

 

Bibliografia

MÓDULO I

Dias, E. O. (2003). A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago.

Dias, E. O. (2011). Sobre a confiabilidade e outros estudos. São Paulo: DWWeditorial

Heidegger, M. (1927). Ser e tempo. Tradução brasileira: Márcia de Sá Schuback. Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes, 1995.

Heidegger, M. (1973). O fim da filosofia e a tarefa do pensamento (Ernildo Stein, trad.). São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Pensadores).

Heidegger, M. (1987). Zollikoner Seminare. Frankfurt/ M, Klostermann. Tradução brasileira: Maria de Fátima Almeida Prado, Gabriela Arnhold, São Paulo: EDUC; Petrópolis: Vozes, 2001.

Heidegger, M. (1991). Que é metafísica? (Ernildo Stein, trad.). São Paulo: Nova Cultural.

Heidegger, M. (2007). Nietzsche (Marco Antônio Casanova, trad, vol 2). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Inwood, M. (2002). Dicionário Heidegger (Luísa Buarque de Holanda, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Laurentiis, V. R. F. (2016). Corpo e psicossomática em Winnicott. São Paulo: DWW editorial.

Lévinas, E. (1997). Descobrindo a existência com Husserl e Heidegger. Lisboa: Instituto Piaget.

Loparic, Z. (1982). A fenomenologia do agir em Sein und Zeit. Manuscrito: revista de Filosofia, 1(1), 149-180.

Loparic, Z. (1991). Heidegger e a filosofia da finitude. Revista Latinoamericana de Filosofia, 17(1), 21-41.

Loparic, Z. (1995). Winnicott e o pensamento pós-metafísico. Psicologia USP, 6(2), 39-61.

Loparic, Z. (1999). É dizível o inconsciente? Natureza humana, 1(2), 323-385.

Loparic, Z. (1999b). O conceito de Trieb na psicanálise e na filosofia alemã. In J. A. T. Machado (org.), Filosofia e Psicanálise um diálogo (pp. 97-157). Porto Alegre: Edipuc

Loparic, Z. (2006). De Freud a Winnicott: aspectos de uma mudança paradigmática. Winnicott e-prints, 1(1),  1-29.

Loparic, Z. (2008). Origem em Heidegger e Winnicott. In S. Aires & C. Ribeiro (orgs.), Ensaios de filosofia e psicanálise (pp. 41-65). Campinas: Mercado de Letras.

Ribeiro, C. V. (2016). Da dimensão ontológica da psicanálise: considerações à luz de Kuhn e Heidegger. In F. Bocca; E. Fonseca; R. Miranda; Z. Loparic. (Orgs.). Pluralismo na psicanálise (pp. 181-231). Curitiba: PUCPress.

Ribeiro, C. V.; Santos, S. S. (Org.). Winnicott e a Filosofia. 1. ed. São Paulo: DWW editorial, 2021. v. 1.

Santos, E. S.. Winnicott e Heidegger: aproximações e distanciamentos. 01. Ed. São Paulo: DWW editorial/FAPESP, 2010. V. 01. 270p

Winnicott, D. W. (1945). Desenvolvimento emocional primitivo. In D. W. Winnicott, Da pediatria à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2000

Winnicott, D W. (1949). O mundo em pequenas doses. In D. W. Winnicott, A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

Winnicott, D W. (1949). A mente e sua relação com o psicossoma. In D. W. Winnicott Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000

Winnicott, D W. (1951). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Winnicott, D W. (1952). Ansiedade associada à insegurança. In D. W. Winnicott Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

Winnicott, D. W. (1958). O primeiro ano de vida. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual. Belo Horizonte: Interlivros, 1980

Winnicott, D. W. (1960). O relacionamento inicial entre uma mãe e seu bebê. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.

Winnicott, D. W. (1960). Teoria do relacionamento paterno-infantil. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.

Winnicott, D. W. (1962). A integração do ego no desenvolvimento da criança. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.

Winnicott, D. W. (1964). O recém-nascido e sua mãe. In D. W. Winnicott, Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Winnicott, D. W. (1965). A psicologia da loucura: uma contribuição da psicanálise. In W. Winnicott, Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed, 1994.

Winnicott, D. W. (1968a). A amamentação como forma de comunicação. In D. W. Winnicott, Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Winnicott, D. W. (1968b). A comunicação entre o bebê e a mãe e entre a mãe e o bebê: convergências e divergências. In D. W. Winnicott, Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Winnicott, D. W. (1969). A experiência mãe-bebê de mutualidade. In D. W. Winnicott, Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed, 1994.

Winnicott, D. W. (1970). Sobre as bases do self no corpo. In D. W. Winnicott, Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed, 1994

Winnicott, D. W. (1971). A criatividade e suas origens. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Winnicott, D. W. (1988) Natureza humana. Rio de Janeiro: Imago.

 

MÓDULO II

JONAS, Hans. La gnosis y el espiritu de la antigüedad tardía: de la mitologia a la filosofia mística. Valencia: Institució Alfons el Magnànim, 2000.

Zwischen Nichts und Ewigkeit: Zu Lehre vom Menschen. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht in Göttingen, 2000.

SLOTERDIJK, Peter. Pós Deus. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

O Estranhamento do Mundo. Lisboa: Relógio D´Água Editores, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

Contribuições à Filosofia: Do Acontecimento Apropriador. Rio de Janeiro: Viavérita, 2014.

Inscrições

 

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

 

Taxa de inscrição: R$ 50,00

Investimento por aula: R$ 248,00 (03 horas)

Total do investimento (8 aulas):  R$ 1.984,00

Modalidade de pagamento: À vista ou em 8 vezes no boleto.

Telefone para informações: (11) 3676-0635 (11) 9 9611-4805

E-mail: academico@ibpw.org.br

 

Política de cancelamento de inscrição:

  1. O prazo máximo para cancelamento de participação é de até 07 (sete) dias de antecedência .
  2. A inscrição somente será cancelada mediante envio de comunicação para o e-mail: academico@ibpw.org.br
  3. Serão devolvidos 80% (oitenta por cento) do valor pago, até o último dia útil subsequente ao mês de realização do evento.
  4. A inscrição é PESSOAL e INTRANSFERÍVEL.
  5. Em caso de não comparecimento  o valor investido na inscrição não será reembolsado, não será gerado crédito para outros eventos ou cursos e não dará direito ao envio de materiais que possam vir a ser entregues no curso.

Expositores

Profa. Dra. Caroline Vasconcelos

Professora Titular da Universidade estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), membro colaborador do Programa de Pós-graduação em Memória, Linguagem e Sociedade (PPGMLS/UESB). Psicóloga (UFSJ), Mestre em Filosofia (UFPB), Doutora e Pós-doutora em Filosofia (UNICAMP), sob a orientação de Zeljko Loparic. Autora de diversos artigos que apresentam o diálogo entre Heidegger e Winnicott. Membro do corpo docente do curso de formação do IBPW.

 

Prof. Dr. Juliano Pessanha

Juliano Garcia Pessanha é mestre em psicologia (PUC-SP) e doutor em filosofia (USP). Autor de Recusa do não-lugar (2018) e da tetralogia Sabedoria do nunca (1999), Ignorância do sempre (2000), Certeza do agora (2002) e Instabilidade perpétua (2009), reunidos no volume Testemunho transiente, publicado pela Cosac Naify em 2015, pelo qual recebeu o Grande Prêmio da Crítica da APCA na categoria Literatura. Foi premiado ainda com o Nascente (Abril-USP) nas categorias poesia e ficção, em 1997. É professor e dirige grupos de estudo de filosofia. Lançou em 2021 o romance O filósofo no porta luvas, pela Todavia.